Pesquisar este blog

domingo, 27 de dezembro de 2009

Ao som de "Bound for infinity"

Posto aqui um poema que fiz ouvindo "Bound for infinity", Cd Prologue, do grupo Renaissance. Convido a quem queira ler o poema, a ouvir junto a canção, clicando no vídeo abaixo, para refazer o processo de criação. Agradeço e remeto ao YOUTUBE, de onde copiei a execução (clique aqui).


video

Ao som de “Bound for infinity”

Eliane F.C.Lima

(Ler, devagar, do início da voz feminina)

Abrem-se as águas do verde
e os vários verdes vão-se misturando.
Abrem-se as almas do verde.
E as várias almas vão-se misturando.
O caminho é longo.
Há um túnel em espiral horizontal
e as águas vão-se abrindo, girantes.
Penetro e penetro e penetro.
Misturam-se as águas do verde.
E as almas vão-se espiralando.
E nadando e voando nesse céu de águas.
E o túnel é contínuo.
Penetro na garganta do mar,
que me engole,
a girar no compasso do som.

(Pausar. Reiniciar apenas no refrão, lendo mais rapidamente)

E o verde é o somente,
o sempre desejável verde,
no vazio e no cheio da instável alma do mar.
O contínuo de ir me leva à paz,
que tem o gosto do odor do verde.
Paraíso liquefeito,
me acaricia por inteiro.

O amor é verde,
o carinho é verde,
verde tom, verde tontura, verde bom,
verde boca, verdes olhos, verdes pernas
que vão.
Túnel contínuo e longo,
que não acaba, mas cabe
no verde da invasão.

(Seguir a beleza da voz feminina até o final).

3 comentários:

Sonia Schmorantz disse...

Receita de ano novo 
de Carlos Drumond de Andrade
 

Para você ganhar belíssimo Ano Novo 
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz, 
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido 
(mal vivido talvez ou sem sentido) 
para você ganhar um ano 
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras, 
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser; 
novo 
até no coração das coisas menos percebidas 
(a começar pelo seu interior) 
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota, 
mas com ele se come, se passeia, 
se ama, se compreende, se trabalha, 
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita, 
não precisa expedir nem receber mensagens 
(planta recebe mensagens? 
passa telegramas?) 
 

Não precisa 
fazer lista de boas intenções 
para arquivá-las na gaveta. 
Não precisa chorar arrependido 
pelas besteiras consumidas 
nem parvamente acreditar 
que por decreto de esperança 
a partir de janeiro as coisas mudem 
e seja tudo claridade, recompensa, 
justiça entre os homens e as nações, 
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal, 
direitos respeitados, começando 
pelo direito augusto de viver. 
 

Para ganhar um Ano Novo 
que mereça este nome, 
você, meu caro, tem de merecê-lo, 
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, 
mas tente, experimente, consciente. 
É dentro de você que o Ano Novo 
cochila e espera desde sempre.

Que em 2010 Deus o abençôe com saúde, paz, muito amor e um bom trabalho!
abraço

Jose Ramon Santana Vazquez disse...

...traigo
sangre
de
la
tarde
herida
en
la
mano
y
una
vela
de
mi
corazón
para
invitarte
y
darte
este
alma
que
viene
para
compartir
contigo
tu
bello
blog
con
un
ramillete
de
oro
y
claveles
dentro...


desde mis
HORAS ROTAS
Y AULA DE PAZ


TE SIGO TU BLOG




CON saludos de la luna al
reflejarse en el mar de la
poesía...


AFECTUOSAMENTE:
POEMA VIVO


DESEANDOOS UNAS FIESTAS ENTRAÑABLES OS DESEO FELIZ AÑO NUEVO 2010 Y ESPERO OS AGRADE EL POST POETIZADO DE LA CONQUISTA DE AMERICA CRISOL Y EL DE CREPUSCULO.

José
ramón...

Beatriz Prestes disse...

Nenhuma palavra que possa acontecer na minha intenção, será mais eloquente do que a emoção que sinto agora...da leve lágrima que vem como resposta.......
Olha Eliane....me sinto uma "sortuda" por ter conhecido você, e ter o privilégio de viver momentos como este de poesia e para mim de muita emoção!
LINDÍSSIMO...APLAUSOS TODOS!
Bea