Pesquisar este blog

domingo, 30 de maio de 2010

Lavra-dor

Eliane F.C.Lima

Em mim, a única coisa que brilha
é o metal de minha marmita fria,
quando bate o raio de sol.
A única coisa que bebo
é o suor de meu rosto,
quando bate o raio de sol.
O único animal que vejo
são os chifres largados no chão,
quando bate o raio de sol.
A única árvore onde encosto
é um tridente seco,
quando bate o raio de sol.
A única coisa que falo
é “Vida, vida... “,
quando bate o raio de sol.

Mas matuto tudo,
mas espero tudo;
e todos os brilhos,
inclusive o da faca;
e todos os líquidos,
inclusive o sangue;
e todos os animais,
inclusive a cascavel;
e todas as madeiras,
inclusive a cruz;
e todas as palavras,
inclusive “Morte!”,
quando, à noite,
não bate mais o raio de sol.

4 comentários:

Mosntrinha disse...

Que lindo!
Nossa, fiquei emocionada com esse poema! Me lembrou um pouco Vidas Secas.
Muito bonito mesmo!

ju rigoni disse...

O sol se recolhe e o pensamento se acende, lavra; e é uma luz tão forte...

Que poema mais lindo, Eliane!

Bjs e inté!

Guidinha Pinto disse...

Mais um belíssimo poema que li e reli.
Que bom ter passado por aqui.
Beijo

Tereza Maria disse...

Olá... Vim te visitar com a Carmem.Mas sempre gosto de ler postagens anteriores... Adorei esse texto... o simbolismo de sol-noite com vida e morte ganha força na expressão da vida matuta , nas lutas do dia a dia...na marmita fria...Gostei da sequencia expressiva de faca-sangue-animais-cascavel-madeiras-cruz até o culminar na morte.
Boa semana. abçs...