Pesquisar este blog

domingo, 19 de junho de 2011

Hosana

Homenagem a José Saramago (1922-2010)

Eliane F.C.Lima (Registrado no EDA - RJ)

Hosana

Sentado estava Deus, e absorto
– que Deus também tem dúvida e anseio.
E chega-lhe, de manso, em pleno horto,
um magro homem e senta ali no meio.

De imediato o deus o reconhece,
é Saramago, dele não se esquece.
O homem, mesmo vendo, não acredita
e se exaltar, à toa, ainda evita.

Mas o outro – a espera não foi vã –,
mesmo Deus, o coração aos pulos,
sorri de si, e mais dos homens fulos
que, no lodo, cospem ira anã.

Mostra as guirlandas postas pelos cestos,
a festa preparada ao José,
declama, decorados, os seus textos,
demonstra com clareza sua fé.

Diz-lhe que agradece a cada dia
a negação daquele deus cruento,
do que foi só malévolo invento,
daquilo que – por Deus! – não existia.

Negando as hipócritas mentiras,
o uso da falácia e do poder,
falsa verdade que sempre o traíra,
Saramago o estava a defender.

Manso poeta, o abraço às costas,
vê ao redor de si um outro homem,
e, sem se importar por quem o tomem,
envolve-lhe, cálido, as mãos postas.
(03-07-2010)


Aguardo sua visita em Literatura em vida 2 e Conto-gotas.

2 comentários:

MIRZE disse...

Quão divino é o poema, Eliane!

Imagino que tenha sido assim mesmo.

Linda inspiração!

Beijos

Mirze

ju rigoni disse...

Linda a homenagem, - esse supreendente encontro marcado em versos. Maestria, Eliane. Como de hábito.

Bjs, amiga! Inté!