Pesquisar este blog

domingo, 18 de setembro de 2011

Estática

Eliane F.C.Lima (Registrado no Escritório de Direitos Autorais - RJ)

Dedico este poema a Rafael Nolli (link do blogue)

O medo não vem da mão levantada,
bofetada em punho.
O medo não vem dos olhos raivosos,
que partem o corpo ao meio,
raio coriscante.
O medo não vem dos dentes rilhados,
que encostam os cães contra a parede.
O medo não vem da sombra negra,
silhueta de punhal à mão.
O medo vem das mãos cruzadas,
dos olhos baixos,
do silêncio covarde, envergonhado.

Aguardo sua simpática visita, ainda, a meus blogues Conto-gotas (link) e Literatura em vida 2 (link).

3 comentários:

MIRZE disse...

Eliane!

Não costumo comentar quando vejo que é direcionado a alguém. Mas eu entendi suas palavras de um modo tão profundo que não resisti. É isso mesmo. Falo com a autoridade de quem sempre sentiu esse medo.

Maravilhoso!

Parabéns!

Mirze

L. Rafael Nolli disse...

Eliane, fiquei sem palavras com a homenagem, não existe melhor presente, sinceramente! Divulguei entre os meus contatos via facebook e orkut e twitter. Esse foi o texto que escrevi, acho que reflete a minha primeira impressão do poema:

"Caros, amigos, a poeta Eliane F.C.Lima, com uma sensibilidade ímpar, escreveu um poema magistral - um presente dedicado a mim. O tema me é muito caro, a relação dos políticos com a educação, o descaso total em relação a categoria dos educadores, na qual me incluo. O poema diz tudo. Além de poeta, Eliane escreve ensaios contundentes sobre poesia contemporânea que merecem uma visita e leitura atenta!"

É isso, agradeço mesmo!

Glauber vieira disse...

Opa, cheguei aqui justamente pelo blog do Nolli. Gostei muito do texto, prende a atenção do início ao fim, que é impactante.