Pesquisar este blog

domingo, 22 de maio de 2011

Poesia

Eliane F.C.Lima (Registrado no Escritório de Direitos Autorais)

Móveis antigos não falam.
Quem fala sou eu,
ouvindo-lhes a voz secreta,
um murmúrio contínuo,
de muitos, do passado.
Lembram de tudo
e não contam.
Conto eu,
minha voz secreta,
meu murmúrio contínuo,
do presente.

5 comentários:

Ana F. disse...

lembrei-me de Proust a dizer da memória das coisas e do corpo...

gostei muito!

abraço

Ana F. disse...

Eliane,
esclarecendo sobre a enigmática Ana F., trata-se sim de um heterônimo. Quando comecei no blog era apenas um pseudônimo (sentia-me envergonhada de assumir minhas crias). Hoje, continuo com a Ana e com o mesmo tipo de escrita. Somos uma na outra...

Beijo

MIRZE disse...

Eliane!

Belo poema, que revela o óbvio: "móveis antigos ão falam", mas que no sonho de poetas, eles falam, e tem memórias.

Amei seu poema!

Beijos

Mirze

ju rigoni disse...

Ao poeta, o silêncio, em qualquer tempo, e seja de que natureza for, - até o da morte -, diz absolutamente tudo. E o poeta dá-lhe sua voz; sopra-lhe vida. Vida! Esse poema é lindo, amiga.

Bjs e inté!

Tereza Maria e Carmem Teresa disse...

O eu-lirico e sua comunhão com o mundo que o cerca...o passado das coisas, o presente do ser....memória que se arquiva em gavetas...abertas, as poesias falam....

beijos
Carmem teresa Elias