Pesquisar este blog

sábado, 26 de novembro de 2011

Destino

Eliane F.C.Lima (Registrado no Escritório de Direitos Autorais - RJ)

Pobre do mar
a esperar o rio.
Pobre do rio
a correr
para o mar.
Esperança de um,
destino de outro?
Querer-se-iam esse amor?
Ironia de um –
que sofre –
o nome “rio”?
Negação de outro,
carente de um prefixo:
“a-mar”?

Aguardo sua visita em Literatura em vida 2 (aqui) Conto-gotas (aqui).

4 comentários:

difusosreflexos disse...

Amiga Eliana!

Obrigada por me teres (re)encontrado.
Neste mundo tão vasto, há pessoas que nunca se deviam perder, nem por um instante. Desculpa. Vou guardar-te lá em casa na caixinha dos tesouros.

Ao ler hoje este teu maravilhoso poema, fez um nó imenso na garganta e as lágrimas teimam em correr. Não me perguntes porquê, a resposta está nos teus últimos 5 versos.

A-mar não é algo para a vida inteira, já dizia a grande Florbela Espanca.

"Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!"

Feliz Domingo
Beijinho terno

ju rigoni disse...

Em se tratando de vida, a única corrida em que se pode sair vencedor é a primeira. E, pensando bem, não sei se "vencedor" seria o termo mais adequado. Pois, quando, pela primeira vez, saimos para a luz, percebemos que há certo conforto em algum silêncio, em alguma sombra, - neles, a tomada de consciência: a vida será sempre movimento e esperas. Principalmente esperas...

Mar... Ah, mar!... Sempre "mexido", inseguro, à espera de um "rio" que finalmente o preencha...

Mestra, meu destino ao ler seus belos poemas é mesmo viajar...

Bjs, querida amiga. Inté!

nacasadorau disse...

Ainda se conjuga o verbo "a-mar"
Reli o poema que hoje teve efeito diverso.
Ainda bem.
Um beijo, amiga.

Tereza Maria disse...

AMAR, A-MAR, HÁ MAR, E NO ENCONTRO DAS ÁGUAS A CERTEZA QUE, EMBORA BREVE OU TURBULENTO, O PERCURSO FOI BEM REALIZADO, ASSIM COMO SEUS PROFUNDOS E REFLEXIVOS POEMAS. ABÇ.

CARMEM TERESA ELIAS